31
Dez 11
31
Dez 11

Fotografia do interior original da "Nova" Igreja Matriz de Castelões de Cepeda

 

O início construção da "Nova" Igreja Matriz de Paredes remonta a 25 Fevereiro 1899 e foi benzida a 6 de Dezembro de 1908. A primeira pedra foi lançada a 8 de Dezembro de 1897 e esta obra deve-se a D. Rosalina Maria de Sousa Guimarães.

A presente fotografia regista o aspecto original do interior com os dois púlpitos que entretanto foram removidos.

 

Em 2008 foi celebrado o seu centenário numa festa que envolveu uma recriação da época.

publicado por Rafael às 09:46 | comentar | favorito
30
Dez 11
30
Dez 11

Fotografia do Parque José Guilherme em 1942

 

 Fotografia datada de 1942 da parte central do Parque José Guilherme onde se vê ao fundo o novo edifício da Câmara Municipal.

 

"A principal praça da vila tem o nome de José Guilherme Pacheco. Alguém nos informou que é igual em dimensões à do terreiro do Paço, em Lisboa, (...) É quadrada com cem metros de lado. A sua área é, pois, um hectare. O cemitério da vila tem as mesmas dimensões." (BARRREIRO, José 1922, pág. 305)

 

Actualmente a configuração foi alterada pela eliminação da rua que passava mesmo em frente ao edifício da câmara.

publicado por Rafael às 18:35 | comentar | favorito
29
Dez 11
29
Dez 11

As casas dos Magistrados de Castelões de Cepeda - Paredes

 

As designadas Casas dos Magistrados foram edificadas na sequência de uma deliberação do Estado Novo, que segundo o artigo 165º do Estatuto Judicial, determinava que todos os municípios deviam fornecer habitações, já mobiladas, aos juízes de Direito e delegados do Procurador da República. 

Em Paredes foram construídas duas casas na Avenida da República, a data não sei atribuir com certezas mas serão dos anos 40 ou 50.


Neste período, por todo o país, as "obras do pequeno equipamento regional", difundem "(...) os temas da "casa portuguesa", ou do "estilo tradicional", com o seu cortejo de beirais, arcos, grelhas cerâmicas, ferros forjados e canteirinhos (..)" (FERNANDES, 2003, p. 34).

Seguindo o formulário da "Casa Portuguesa", que foi uma importante base para o desenvolvimento da arquitectura de "feição regional-tradicional" do Estado Novo (idem, ibidem, p. 44), estes edifícios são pequenas habitações de dois andares, caiadas de branco e cobertas por telha, com apontamentos de granito nos cunhais dos panos murários, janelas dispostas a espaços regulares com moldura rectangular, e entrada precedida por pequeno alpendre. 

 

As casas dos Magistrados foram demolidas dando lugar a uma construção em altura mesmo em frente à actual casa da cultura de Paredes. Existem outros exemplos em Portugal, posteriores a estes, que estão classificados como de Interesse Municipal.

publicado por Rafael às 19:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
28
Dez 11
28
Dez 11

Pormenor do parque José Guilherme

 

Pormenor da parte central do Parque José Guilherme no anos 60/70 com a estátua deste benemérito de Paredes. De reparar bos candeeiros dos quais existe as réplicas na actual Praça.

publicado por Rafael às 19:26 | comentar | favorito
27
Dez 11
27
Dez 11

Lugar de Pias em Castelões e Cepeda onde existem os moinhos de água - 1960

Pias

 Lugar de Pias em fotografia tirada em Julho de 1960 pelo Prof. Acácio

 

Fotografia tirada em Julho de 1960 no lugar de Pais onde existem vários moinhos de água. Diz-se que este lugar nas margens do rio Sousa tem o nome de Pias devido às correntes das águas que escavaram autenticas pias na penedia existente.

Este lugar já é referenciado no século XIII, nomeadamente no ano de 1283 em que o Cabido toma posse das herdades das Pias na freguesia de Castelões de Cepeda, que tinham sido de D. Vicente, tesoureiro-mor.

publicado por Rafael às 14:12 | comentar | favorito
tags: , ,
26
Dez 11
26
Dez 11

Parque José Guilherme e café Imperial em 1970

 Vista parcial do Parque José Guilherme em Paredes

 

Foi tirada em Março de 1970 esta fotografia onde se vê a remodelação dos canteiros com paralelos de granito. Ao fundo vê-se o edifício do café Imperial e a casa fotográfica ao lado esquerdo. O edifício do lado direito onde existia um talho. E ainda se vê a parte de traz do Bar do Sr. Laurindo, mesmo no limite direito da foto.

publicado por Rafael às 15:03 | comentar | favorito
tags: ,
25
Dez 11
25
Dez 11

Estátua do Conselheiro, José Guilherme Pacheco erigida em 1927

Estátua José Guilherme - Paredes

Fotografia da estátua do Conselheiro, José Guilherme Pacheco em Março de 1928

 

José Guilherme Pacheco nasceu a 10 de Fevereiro de 1823, no Rio de Janeiro. Seu pai regressou à sua terra em Nevogilde, Lousada, na Casa das Vinhas, tinha ele seis meses acompanhado de sua mãe nascida no Brasil mas filha de pais Portugueses.

Viria a falecer a 7 de Dezembro de 1889, com 66 anos, no Porto.

Foi em 1927 que foi erigida a estátua do Conselheiro, José Guilherme Pacheco depois de uma resolução da Comissão Municipal Administrativa cujo o presidente era Dr. José Correia Abreu Pinto Cabral.

 

Sobre este benemérito existe um livro editado a 10 de Julho de 1990, pela Livraria Maia, da autoria do Dr. António Carmindo de Sousa Maia, no centenário da morte, 1889 - 1989.

publicado por Rafael às 21:10 | comentar | ver comentários (1) | favorito
24
Dez 11
24
Dez 11

Equipa do Vasco da Gama F.C. de Recarei em 1931

Vasco da Gama F.C. de Recarei

Equipa do Vasco da Gama F.C. de Recarei em 1931

 

Equipa do Vasco da Gama F.C. de Recarei. Como se pode ler no canto inferior esquerdo, a foto foi tirada na “Disputa da Taça União de Paredes, em Paredes, 1931”

Se tiver alguma informação que queira acrescentar comente este post. Obrigado.

 

Fotografia enviada por Ivo Rafael Silva

publicado por Rafael às 09:29 | comentar | ver comentários (1) | favorito
23
Dez 11
23
Dez 11

Grupo de Honra do União Paredes, 1935

USCP 1935

 

Fotografia do grupo de Honra do União de Paredes em 1935 no Campo que se viria chamar "estádio das Laranjeiras". Ao fundo vê-se ainda o antigo Hospital da Misericórdia de Paredes, actual Lar Elias Moreira Neto.

Esta fotografia foi enviada por um neto de José Leal presente nesta foto. Agradecemos mais uma vez a colaboração de Rui Leal Leonardo.

Caso conheça algum dos presente deixe aqui o seu comentário ou contacte-me (ver contacto no meu perfil no blog)

publicado por Rafael às 10:39 | comentar | ver comentários (1) | favorito
22
Dez 11
22
Dez 11

Vista do Cálvario em Castelões de Cepeda em Abril de 1957

Estrada nacional 15 e calvário ao fundo

 

Vista do Cálvario onde se vê ao fundo a casa dos Meireles e à direita a do Dr. Machado. A casinha com três portas à face da estrada nacional 15 existia o barbeiro Rui e a loja "A Eléctrica" do meu avô Sebastião Silva.

Actualmente a duas casas senhoriais foram demolidas dando origem a grandes prédios e no local da casinha pequena existe agora o centro comercial Vale do Sousa e a rotunda 25 de Abril.

Esta foto foi-me oferecida pelo meu professor primário, Prf. Acácio e foi digitalizado pelo Sr. Mendes da fotografia Arte & Color.

publicado por Rafael às 18:05 | comentar | favorito
21
Dez 11
21
Dez 11

Construção da bancada do USCP no Campo das Laranjeiras - Paredes

Bancada campo das laranjeiras Paredes

 

Fotografia da construção da bancada do União Futebol Clube de Paredes no Campo das Laranjeiras. A fotografia era do meu avô Sebastião SIlva que foi dirigente do clube.

Não tenho ideia do ano em que foi tirada. Caso saiba deixe aqui o seu comentário ou contacte-me (ver contacto no meu perfil no blog)

publicado por Rafael às 09:46 | comentar | ver comentários (3) | favorito
20
Dez 11
20
Dez 11

Joaquim Monteiro de Souza Magalhães de Castelões de Cepeda para o Brasil

Tios bisavós Aimée e Joaquim

Aimée Burlamaqui e Joaquim M. S. Magalhães, Rio Grande 12-01-1923
(fotografia tirada em 20-04-1919)
 

Joaquim Monteiro de Sousa Magalhães, natural de Portugal, nascido a 16 de Outubro de 1891, na casa brasonada na Praça do Avelino, Castelões de Cepeda, filho de Miguel Joaquim de Souza Magalhães e de Sofia Monteiro Coelho da Silva, depois residente no Estado do Rio Grande do Sul naturalizando-se brasileiro em 1946.

 

"CONCEDER A NATURALIZAÇÃO QUE PEDIRAM, A FIM DE QUE 'POSSAM GOZAR DOS DIREITOS OUTORGADOS PELA CONSTITUIÇÃO E LEIS DO BRASIL" no Diário Oficial da União (DOU) de 06/11/1946

 

Casou com Aimée Burlamaqui, nascida a 1 de Novembro de 1890 em Jaguarão, RS, baptizada a 1892, pelotas, a 12 de Abril de 1929 em Porto Alegra, Rio Grande do Sul, Brasil.

 

São meus tios-bisavós.

 

Joaquim Magalhães  Aimée

Joaquim e Aimée - Abril de 1935

publicado por Rafael às 18:32 | comentar | favorito
19
Dez 11
19
Dez 11

Pintor Henrique Silva, natural de Castelões de Cepeda Paredes

Margarida Leão e Henrique Silva

 A pintora Margarida Leão e o pintor Henrique Silva no lançamento do livro biográfico na Cooperativa árvore no Porto em 2010

 

Henrique Silva nasceu em Castelões de Cepeda a 17 de Outubro de 1933, filho de Sofia Monteiro Pereira da Silva e de Henrique Rocha Madureira, pai que nunca a chegou a conhecer pois morrera de um acidente de mota quando colhido por um camião. Era neto materno de António Pereira da Silva, chefe dos caminhos de ferro e de Emília Monteiro de Souza Magalhães filha de abastados capitalistas da casa brasonada na Praça do Avelino.

A sua história já deu origem a um livro, uma biografia da autoria de Paula Alcântara Carreira e ficamos a conhecer um pouco da vida deste excelente artista plástico que conviveu e trabalho com Arpad Szenes e Vieira da Silva. Foi director das oficinas da cooperativa Árvore e foi Director da Bienal de Cerveira durante cerca de 20 anos.

 

 

 Livro biográfico e a pintura  “As Três Cárites d'après Rafael

  

A permanência de Henrique Silva em Paredes foi curta, mas o seu percurso de vida é longo e ainda tem muito para dar. De Paredes tem algumas recordações da pacata vila e dos seu familiares.

 

 

 

Nesta foto vemos em baixo do lado esquerdo, seu pai, Henrique Rocha Madureira e do mesmo lado acima sua mãe Sofia Monteiro Pereira da Silva ao lado de seu tio Sebastião Monteiro Pereira da Silva e respectiva mulher logo acima, Arminda Ferreira Alves e respectivas três das sua quatro filhas, Maria Arminda, Maria José e Maria Isabel Alves Pereira da Silva, primas do pintor. Abaixo Flávio Ferreira Alves, irmão de Arminda Ferreira Alves.

 

E esta é uma singela homenagem a este meu primo que considero um excelente pintor de qualidades impares e de uma humildade única e que tende a ser esquecido na sua própria terra natal.

 

A pintora Margarida Leão nascida no Porto tem raízes no concelho de Paredes, nomeadamente em Parada onde residem vários familiares.

publicado por Rafael às 21:06 | comentar | favorito
18
Dez 11
18
Dez 11

"Cales e os Lordes" em Lordelo - Paredes

 

Mais uma participação, esta de Nuno Serra de Lordelo com esta magnífica foto que não se sabe a data ao certo, mas será em finais da década de 60! 
São dois ícones da nossa história... as "Cales" (infelizmente já destruídas) e os Lordes (felizmente ainda activos e muito refinados...)

publicado por Rafael às 11:25 | comentar | favorito
17
Dez 11
17
Dez 11

Um passeio de barco no Rio Sousa - Paredes 1934

Barco no Rio Sousa

 Passeio de barco em famíla

 

 "Rio Souza - Setembro de 1934"

 

Um lindo Rio de águas puras onde as famílias podiam passar um belo dia em família. Uns banhavam-se nas águas, outros andavam de barco e pescava-se e nas suas margem faziam-se grandes convívios.

publicado por Rafael às 09:26 | comentar | favorito
16
Dez 11
16
Dez 11

Pormenor do lago antigo no Parque José Guilherme

 

 

Pormenor de um dos dois lagos que existiam no Parque José Guilherme onde o arvoredo era denso e os canteiros ladeados ou contornados de arbustos. Este lago tinha um pequeno chafariz no centro e nele habitavam vários peixes que encantavam os miúdos que nos anos 60 e 70 atravessavam o parque para frequentar a escola primária.

 

Este é mais um contributo de uma colaboradora, Cristina Guedes Magalhães, à qual agradecemos o empréstimo do seu album de família para digitalização e partilha neste blog.

publicado por Rafael às 22:01 | comentar | favorito
15
Dez 11

Sport Clube Nun´Alvares de Recarei nos anos 50

Foto do Sport Clube Nun´Alvares de Recarei nos anos 50.
Ao fundo podem ver-se as cruzes do calvário no seu local de origem. Depois foram mudadas.

 

Este post foi uma colaboração de Amândio Guimarães.

Aqui fica o nosso agradecimento pela colaboração.

publicado por Rafael às 23:35 | comentar | favorito
15
Dez 11

Procissão a passar junto ao Parque José Guilherme

 

Esta é uma fotografia enviada por Ivo Rafael Silva, de Recarei, onde se vê uma procissão a passar junto ao Parque José Guilherme. Essa procissão foi realizada por ocasião de um Congresso Eucarístico realizado em Paredes, e a imagem que se vê em primeiro plano é a de Nossa Senhora do Bom Despacho, padroeira de Recarei.

A data provável desta foto será anos 40.

Agradecemos a sua colaboração e partilha.

publicado por Rafael às 22:40 | comentar | favorito
14
Dez 11
14
Dez 11

Imagens do concelho de Paredes - Igreja do Mosteiro de Cete e Rio Sousa 1930

Costumes portugueses em Cete

 

Costumes Portugueses (Região do Norte) - in: "Portugal et son activité économique"

Carro de bois tradiconal fotografado em frente à Igreja do Mosteiro de Cete

 

Uveiras nas margens do Rio Sousa

 Uveiras nas margens do Rio Sousa - in: "Portugal et son activité économique"

 


Gravuras enviadas por Rui Leal Leonardo depois do apelo feito a todos para colaborarem no enriquecimento deste blog. Foram enviadas duas gravuras de Paredes, publicadas em 1930 pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, no livro "Portugal et son activité économique".
Penso que este livro é datado de 1932.

É posta a hipótese destas gravuras serem "reproduções de fotografias originais de Emílio Biel, da "Arte e Natureza e Portugal".

Obrigado Rui Leonardo e aguardamos  mais contribuições para este blog.
 

publicado por Rafael às 21:09 | comentar | favorito
13
Dez 11
13
Dez 11

Avenida da República finais dos anos 40 - Castelões de Cepeda - Paredes

 

As quatro casas que vemos na foto ainda existem. A primeira creio que pertencia aos Castros, a segunda a Dona Ana Magalhães (Vidigueira), a terceira que se vê o telhado, a Sebastião Silva e por fim a de Dona Henriqueta.

 

Se quiserem acrescentar algum dado deixem aqui o vosso comentário. Obrigado.

 

publicado por Rafael às 21:26 | comentar | ver comentários (3) | favorito
tags:
11
Dez 11
11
Dez 11

Cédula emitida pela Câmara Municipal de Paredes em altura de crise económica

Cédula Municipal Paredes

 

Durante a grave crise económica que afectou Portugal no final da I Grande Guerra e, essencialmente, nos anos imediatos ao pós-guerra, muitos cidadãos resolveram amealhar as moedas que se encontravam em circulação, visto que o valor do seu metal era superior ao próprio valor facial das moedas.

Verificou-se, assim, uma falta significativa de moedas de valor facial mais baixo, pelo que, principalmente entre 1919 e 1922, várias instituições emitiram cédulas que vieram suprir essa escassez de trocos. Câmaras Municipais, Associações Comerciais e Industriais, Misericórdias, Mercearias, Papelarias, centenas de instituições, emitiram essas cédulas, cujo valor variava, na sua maioria, entre um e vinte centavos.

publicado por Rafael às 13:09 | comentar | favorito
tags:
10
Dez 11
10
Dez 11

Miniatura de Santuário por António Pereira da Silva

O meu bisavô António Pereira da Silva, cunhado de António Monteiro de Souza Magalhães também construiu uma miniatuta de uma Igreja, desconheço se foi uma réplica de alguma existente e também desconheço o seu paradeiro. Se alguém possuir alguma informação ela é bem-vinda.

Aqui vemos um recorte da revista "Ilustração Portugueza", nº 599, de  13 de Agosto 1917 onde é referenciado que esteve em exposição no Porto nos "Grandes Armazéns do Chiado"

Foi morador na casa brasonada na Praça do Avelino.

 

 

 Ilustração Portugueza. Agosto de 1917

 

  

   

António Pereira da Silva e a sua obra

 

 

publicado por Rafael às 18:37 | comentar | favorito
09
Dez 11
09
Dez 11

Miniatura da Igreja matriz de Paredes e o seu autor

Muita gente em Paredes me pergunta o que é feito da miniatura da Igreja de Paredes que os meus avós expunham em dias de festa na janela da sala da frente da casa para que as pessoas a pudessem ver e usufruir. Tornou-se um habito que se perdeu com o falecimento do meu avô materno, Sebastião.

Andei à procura de alguma fota antiga onde ela estivesse e apenas encontrei esta de 1976 onde ela estava sempre guardada durante todo o ano até às partilhas dos meus avós em 1983 em que foi deslocada para os meus tios da Sra. da Guia, Arminda e Fernando Meireles, este que a doou recentemente ao museu da Paróquia de Castelões de Cepeda.

 

 Miniatura da Igreja Matriz de Paredes numa fotografia de Janeiro de 1976,

na altura do casamento de um casal amigo da família, D. Irene Gulpilhares Pacheco e marido Augusto.

(Mª José A. P. Silva, D. Irene, Sr. Augusto e Manuel P. F. Sousa)

 

 

Autor da construção da miniatura é o meu Tio-bisavô António que a fez depois da Igreja matriz ser feita, segundo me disseram meus antepassados, portanto posterior a 1908. A vontade dele depois da sua morte foi que ficasse para o meu avô Sebastião, seu sobrinho, e depois permanecesse na casa ou na impossibilidade fosse doada ao museu. A sua vontade foi cumprida pelo meu tio Fernando Meireles.

A data da construção da miniatura não sei, mas terá sido perto da altura da edificação em 1908 e anterior a 1948, ano de sua morte.

 

António Monteiro de Souza Magalhães 

 António Monteiro de Souza Magalhães (idade provável 30 anos - 1904) e Tia Isabel e Tio António

 

 

António Monteiro de Sousa Magalhães era filho de Miguel Joaquim de Sousa Magalhães e  Sophia Monteiro Coelho da Silva, foi seu padrinho de baptismo o seu tio materno padre António Alberto Coelho da Silva (foi pároco de Castelões de Cepeda), a 12 de Novembro de 1874. Veio a falecer em 27 de Novembro de 1948 na sua casa na Avenida da Republica em Paredes. Foi herdeiro da casa brasonada da Praça do Avelino da parte de sua mãe, e avô materno.
 
Fotografia da miniatura fotografada pelo SIPA em 2012 no museu da paróquia.
SIPA – Sistema de Informação para o Património Arquitectónico 

 

publicado por Rafael às 15:25 | comentar | favorito
07
Dez 11
07
Dez 11

Avenida Campos Henriques actualmente Avenida da República provavelmente nos anos 30

 

O meu tio avô António Magalhães na Avenida mesmo em frente à sua casa (do lado direito da foto) perto da Rua do Carreiro da Lama.

A avenida da República da altura era lindíssima e sossegada.

publicado por Rafael às 18:49 | comentar | favorito
04
Dez 11
04
Dez 11

Equipa de futebol com Sebastião Monteiro Pereira da Silva

Equipa futebol 

 

O guarda redes, Sebastião Monteiro Pereira da Silva, com a bola aos seus pés. Anos 20 ou anos 30? Será o União Sport Club de Paredes? Sei que foi dirigente do clube e segundo me contam desde miúdo foi a direcção dele que mandou plantar as laranjeiras no campo de futebol que deram origem ao actual nome do Estádio das Laranjeiras.

 

Depois de colocar este post o meu irmão que era seu afilhado identifica como o Ferroviário de Luanda, 1924. Realmente ele jogou lá e estava lá nesse ano.

 

publicado por Rafael às 18:48 | comentar | favorito
tags:
03
Dez 11
03
Dez 11

Residência permanente do conselheiro José Guilherme Pacheco

Casa onde viveu o conselheiro José Guilherme Pacheco

 

"Na Praça Capitão Torres de Meireles, antiga Praça do Avelino, a norte, existe a casa então conhecida por Casa da Dona Guilhermina, nora de José Guilherme, esposa do seu filho Abel. Foi residência permanente do conselheiro." in: "José Guilherme Pacheco - Rei de Paredes" de António Carmindo de Sousa Maia.

publicado por Rafael às 18:44 | comentar | ver comentários (2) | favorito
02
Dez 11
02
Dez 11

Lugar de paragem na estrada real no lugar das Paredes em Castelões de Cepeda

Casa com inscrição 1708(?) - Castelões de Cepeda

 

Esta casa seria desde, a sua origem, o local onde os cavalos eram alimentados e os viajantes , que faziam a estrada real vinda do Porto e se dirigiam à ponte de cepeda ou vice-versa, descansavam.

Foi descoberta pelas obras uma padieira com a data 1708 (sendo que o oito não está bem legível), e cuidadosamente posta à vista de todos pelo Joaquim Pinto Teixeira do Couto, filho do conhecido José Teixeira do Couto que aí tinha a sua funerária.

Sabe-se por um amigo deste blog, Luís Mendes, que esta casa foi pertença de António Nunes de Sousa Pinheiro que foi presidente de Junta de Sobrosa de 1912 a 1914, segundo o seu testemunho.

 

publicado por Rafael às 17:40 | comentar | favorito
tags: ,